Tratamento de efluentes para a indústria, cuidados a serem tomados
fevereiro 13, 2019
Análise de efluentes hospitalares, qual a importância do tratamento?
fevereiro 15, 2019

A legislação ambiental determina condições para que os recursos sejam destinados às redes coletoras. Isso porque cada efluente conta com propriedades químicas, biológicas e físicas bem específicas. Em função disto, é preciso impor parâmetros para a análise de efluentes.

Esses parâmetros mudam de acordo com o segmento de cada empresa.

Basicamente, os parâmetros para a análise de efluentes precisam ser estudados por laboratórios aprovados pelos órgãos públicos competentes.

Para lançamento direto no corpo receptor também são empregados os requisitos exigidos pelas Resoluções 430/2011 e 357/2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA).

 

O papel dos laboratórios nos parâmetros para análises de efluentes

Todas as ações analíticas dos laboratórios necessitam contar com base nos métodos nacional e internacionalmente reconhecidos.

Isso porque esses procedimentos foram devidamente aprovados após passar por um controle severo de qualidade e eficácia.

Para as normas brasileiras, conforme a determinação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a análise dos parâmetros para a análise de efluentes é regida pela Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater.

Este é o modo mais usado, tanto para o teste de água quanto para o teste de esgoto.

Porém, há diversos laboratórios que adotam outros sistemas igualmente autorizados, como o EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos).

Conforme as normas nacionais, esses laboratórios necessitam mostrar imparcialidade, excelência, estrutura e rendimento para executar as análises de efluentes.

 

Proibições ao empreendimento gerador

As normas impedem que as amostras do efluente seja apanhada pela empresa geradora e transportado até o laboratório escolhido.

É determinado por lei que todo o procedimento de análise seja realizado por um laboratório. Do início ao fim do processo.

E não para por aí! Ao contratar o suporte científico de um laboratório devidamente acreditado, o empreendimento terá acesso a critérios de segurança, excelência e o cumprimento de todas as determinações ambientes.

Isso porque as regras determinam como deve ser conduzido o processo de avaliação, do primeiro até o seu último momento. Ao efetuar corretamente todos os protocolos, a companhia elimina um conjunto de conseqüências e complicadores legais.

Por exemplo, as punições previstas na legislação, que podem variar desde o recebimento de multas até o fechamento de estabelecimento.

Além disso, o empreendimento estará arcando com o seu dever ambiental, ao conservar os recursos hídricos e afastando os elementos de poluição natural e prejudiciais a saúde humana.

Quais são os parâmetros para a análise de efluentes?

Para o encaminhamento correto até os corpos hídricos, é indispensável cumprir com diversos parâmetros para a análise de efluentes. Tudo para que essa operação não traga problemas tanto ao meio ambiente quanto a comunidade que se situa nas proximidades.

Parâmetros analisados:

1 – O pH deve estar entre 5 a 9;

2 – A temperatura necessita estar abaixo de 40ºC. Isso porque o aumento da temperatura no local receptor não pode ultrapassar os 3ºC.

3 – Matéria sedimentável

A capacidade é até mil/litro em uma avaliação de uma hora cone Imhoff para o lançamento em lagos ou lagoas. Com a velocidade de circulação praticamente inexistente, as matérias precisam estar praticamente ausentes.

4 – Sistema de lançamento com o limite de vazão de até uma vez e meia a vazão média do tempo de ação exercida pela companhia diariamente.

5 – Óleos e graxas

Esses óleos vegetais e gorduras animais não podem passar do limite máximo 50 mg/l.

6 – Ausência completa de elementos flutuantes;

7 – DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio) variando até 50 mg/ l;

8 – DQO (Demanda Química de Oxigênio) com capacidade até 150 mg/ l;

9 – Cobre:

A quantia máxima deve ser aproximadamente 1,0 mg/l de Cu.

10 – Zinco

A quantidade máxima de zinco precisa ser cerca de 5,0 mg/l de Zn.

11 – Nitrogênio amoniacal

A quantidade total de nitrogênio deve girar em torno de 20 mg/L N para se adequar aos parâmetros para a análise de efluentes.

Para mais informações, entre em contatos conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Área de Clientes
× Fale conosco pelo WhatsApp